[:pt]Desafio da Farinha: ‘brincadeira’ é ainda mais perigosa durante a pandemia[:]

[:pt]Popularizou-se recentemente pela internet o Desafio da Farinha: uma brincadeira em que uma pessoa faz perguntas (como “quem é o mais bagunceiro?”) e, a depender da resposta, leva o rosto de um dos participantes na farinha de trigo. &nbsp Com o advento da quarentena, o desafio viralizou e têm se espalhado Brasil a fora como forma de entretenimento. Apesar de parecer uma brincadeira inofensiva, não é bem assim. Especialistas alertam para os perigos envolvidos, como a aspiração de partículas de farinha que podem levar ao surgimento ou agravamento de uma doença respiratória, como explica o pneumologista do Hospital do Câncer de Londrina, Dr. Claudio Rezende. &nbsp “Pode ser rinite, asma ou bronquite, pneumonia de hipersensibilidade ou ainda broncoaspiração, que leva a uma infecção aguda do pulmão”, relata. &nbsp Segundo o médico, em tempos de coronavírus, o alerta é ainda maior, já que pessoas que não têm doença pulmonar pré-existente podem acabar desenvolvendo e, com isso, passar a fazer parte do grupo de risco. Pacientes que já possuem doenças do trato respiratório também precisam ter cuidado redobrado nesse momento. &nbsp “É importante que essas doenças estejam controladas. Quem tem asma precisa estar com as medicações bem otimizadas, quem tem uma bronquite crônica, rinite, precisa estar bem tratado e sem sintomas, para que, caso venha a desenvolver uma doença, incluindo uma infecção pelo novo coronavírus, ela não seja tão grave assim”, orienta. &nbsp E os perigos do Desafio da Farinha vão além do aspecto clínico. A “brincadeira” pode não ter um desfecho tão legal e criar mais casos de doentes respiratórios, o que, consequentemente, leva mais pessoas a buscar assistência hospitalar. Os casos mais graves podem inclusive exigir a utilização de respiradores, equipamentos tão importantes e escassos no sistema de saúde brasileiro. &nbsp &nbsp Via: Redação Bonde com Assessoria de Imprensa[:]

[:pt]Desafio da Farinha: ‘brincadeira’ é ainda mais perigosa durante a pandemia[:] Read More »