[:pt]6 cuidados antes de presentear seu filho com um celular[:]

[:pt]Qual a idade ideal para dar um celular de presente aos filhos? Essa dúvida costuma pairar sobre pais de crianças e de pré-adolescentes, cada vez mais cedo conectados à internet e às redes sociais.
&nbsp
Em 2018, uma pesquisa brasileira que entrevistou mais de 2 mil pais apontou que quase todos os que tinham filhos entre 10 e 12 anos já ouviram pedidos das crianças por um smartphone próprio. E 72% delas já conseguiram ter um aparelho só seu. Até mesmo entre crianças de 4 a 6 anos, um quarto já tinha o próprio aparelho, apontava a pesquisa, chamada Panorama Mobile Time/Opinion Box.
&nbsp
Só que a metade dos pais entrevistados não estava satisfeita: achava que os filhos usavam mais o smartphone do que deveriam.
&nbsp
A questão não é trivial. Um estudo canadense publicado no início deste ano apontou que crianças pequenas que passam muito tempo usando celulares, tablets e outras telas podem ter atrasos no desenvolvimento de linguagem e sociabilidade.
&nbsp
Outra pesquisa, a TIC Kids Online, ouviu entre outubro de 2018 e março deste ano 3 mil famílias brasileiras com filhos entre 9 e 17 anos a respeito de seus hábitos na internet. Dois terços disseram usar a internet para fazer trabalhos escolares.
&nbsp
Mas 16% das crianças e jovens entrevistados disseram ter visto online formas de machucar a si mesmo; 14% tiveram contato com conteúdo que mostrava como cometer suicídio. Quase a metade viu alguém ser discriminado na internet nos últimos 12 meses. E 21% dos entrevistados disseram ter deixado de comer ou dormir por causa da internet.
&nbsp
Isso não significa, porém, que a criança precise ser afastada do universo virtual. A seguir, seis precauções para pais que estejam discutindo se é ou não hora de ceder aos desejos das crianças e adolescentes por um celular próprio.
&nbsp
&nbsp
1. Idade x maturidade
&nbsp
Especialistas ouvidos pela BBC News Brasil afirmam que a posse de um celular próprio deve levar em conta não tanto a idade da criança, mas seu grau de maturidade em acessar o mundo que se abre com o smartphone.
&nbsp
Para avaliar esse estágio de maturidade, a ONG americana Connect Safely sugere que os pais se perguntem:
&nbsp
A criança entende os custos do celular e de seu uso e se mostra comprometida em cumprir com limites pré-estabelecidos de uso? Ela consegue tomar conta do aparelho (ou tem grande chance de ele acabar quebrado)? Ela já é capaz de gerenciar o próprio tempo, sendo capaz, por exemplo, de parar de trocar mensagens com amigos quando for hora da lição de casa? Ela se compromete a atender mensagens e telefonemas dos pais quando combinado? Ela já tem capacidade de entender os limites em se compartilhar informações privadas, como localização em tempo real, e já tem noções éticas sobre como se comportar em ambientes virtuais?
&nbsp
E, é claro, existem as demandas de cada família.
&nbsp
“Alguns pais querem que seus filhos tenham um telefone, para poder contatá-los a qualquer hora. Outros preferem esperar até que sejam adolescentes”, diz a cartilha da Connect Safely. “Para os pequenos, você pode avaliar a ideia de comprar um telefone com menos funcionalidades do que o smartphone. Embora eles permitam a troca de mensagens, servem principalmente para apenas telefonar — as crianças não conseguirão baixar apps de terceiros, alguns não têm câmeras e são mais baratos.”
&nbsp
Dito isso, é bom lembrar que antes dos 7 ou 8 anos as crianças ainda têm muita dificuldade em entender que o celular é mais do que um brinquedo e a ter autocontrole sobre o tempo ligado na tela, afirma a pediatra Evelyn Eisenstein, professora-associada da UERJ e que ajudou a elaborar o Manual Saúde de Crianças e Adolescentes na Era Digital, da Sociedade Brasileira de Pediatria.
&nbsp

 

 

2. Combinar limites de tempo
&nbsp
Mesmo com crianças que já demonstrem sinais de maturidade, é importante fazer combinados prévios e monitorar o tempo de tela, principalmente com as crianças menores.
&nbsp
Recomendações médicas internacionais sugerem que, até os dois anos, o tempo das crianças diante das telas deve ser zero, por causa dos excessos de estímulos visuais, auditivos e da importância (ainda maior nessa etapa) de atividades concretas.
&nbsp
À medida que as crianças crescem, pode-se começar a dosar as horas de uso. Mas os especialistas consultados pela BBC News Brasil afirmam que esse tempo total de tela não deve ultrapassar as duas horas por dia. E recomenda-se que não sejam duas horas seguidas, mas sim intercaladas com outras atividades.
&nbsp
“Isso porque alguns apps e jogos são feitos justamente para estimular esse uso constante, e até mesmo adultos têm dificuldade em dosar o tempo que ficam na tela”, diz Rodrigo Nejm, da ONG Safernet. “Precisamos aprender a controlar o próprio uso das telas e a nos desconectar.”
&nbsp
É bom, também, combinar de antemão que nem todo o tempo livre deve ser passado diante do celular, e que há momentos, como as refeições, em que devemos nos desconectar. “Se todo o tempo livre está no digital, significa que ele não estará na leitura ou mesmo no ócio, que é algo importante para crianças”, afirma Nejm.
&nbsp
E no fim de semana, dá para deixar as crianças ficarem mais tempo plugadas? Em teoria sim, diz Eisenstein, mas tão importante quanto controlar o tempo é garantir que não haja prejuízo nas atividades cotidianas – ou seja, que o celular não atrapalhe o tempo de sono (a recomendação para crianças é de pelo menos 9 horas de descanso), de atividades físicas, de estudos e de momentos em família e na natureza.
&nbsp
Se essa dosagem começar cedo, é maior a chance de que as crianças alcancem a adolescência “sabendo fazer um uso qualificado no celular e com bons modos digitais para a vida”, opina Rodrigo Nejm. “Esse adolescente terá mais capacidade de equilibrar liberdade com responsabilidade e de assumir combinados.”
&nbsp
&nbsp
3. Monitorar o tipo de uso
&nbsp
Os especialistas recomendam um esforço dos pais para acompanhar de perto o tipo de uso que as crianças fazem do celular, principalmente se ele estiver conectado à internet.
&nbsp
“Os pais têm a responsabilidade civil, legal e moral sobre o comportamento dos filhos online e precisam saber o que eles andam fazendo na internet. É a mesma ideia de que não deixamos crianças pequenas sozinhas em uma praça pública”, afirma Eisenstein.
&nbsp
Para as menores, a recomendação é limitar o uso a “playlists” de vídeos aprovados pelos pais no Netflix e no YouTube Kids, ou jogos educativos. As crianças maiores podem usar mais aplicativos e acessar a internet, mas é bom lembrar que redes sociais são indicadas para quem tem mais de 13 anos.
&nbsp
A psicóloga Ivelise Fortim, professora da PUC-SP, lembra que todos os jogos vêm com indicações de classificação etária, que você vê ao baixá-los. E que mesmo os jogos educativos virtuais mais incríveis não substituem a importância da brincadeira concreta, do mundo real.
&nbsp
“É comum que os pais deem o celular para entreter a criança e ela não incomodar. É uma estratégia, mas se for a única estratégia, vai ser difícil mais tarde que a criança não dependa disso para não ficar entediada.”
&nbsp
Pais podem, também, instalar softwares de controle parental ou criar perfis de celular com restrições etárias, para impedir que as crianças tenham acesso a todos os apps do aparelho.
&nbsp
&nbsp
4. Explicar os perigos da internet
&nbsp
“Desde o primeiro acesso à internet, as crianças precisam saber de suas responsabilidades e dos perigos online. Desde saber quais jogos exigem dinheiro para jogar até que elas devem procurar os pais sempre que forem contatadas por alguma pessoa estranha”, opina Nejm.
&nbsp
“Até mesmo a partir dos quatro anos de idade já dá para começar esse diálogo — de informar as crianças que há pessoas na internet que cometem violência e que o uso excessivo do celular faz mal à saúde, e por isso ela não pode usar sempre.”
&nbsp
Embora as gerações mais novas sejam nativas digitais, elas não nasceram sabendo como se comportar online. Cabe à família discutir que tipo de informação pode ser compartilhada na internet e como se manifestar de modo respeitoso em conversas virtuais, evitando bullying e ofensas.
&nbsp
“Como sociedade, todos estamos aprendendo que o anonimato não significa que podemos tratar os outros de modo diferente ou desrespeitoso”, diz o manual da Connect Safely. “Não significa que não há seres humanos por trás dos textos, posts, fotos, avatares e comentários.”
&nbsp
Nejm também sugere que os pais tenham, com os filhos, “pelo menos discussões mínimas sobre informações falsas e manipulação de imagem na internet, explicando que não é porque alguém que você gosta te mandou que é verdadeiro, e que é importante checar informações”.
&nbsp

 

 

5. Cuidados com adolescentes
&nbsp
Adolescentes já podem ter direito a algum espaço privado online, opina Nejm. O que não dispensa o acompanhamento familiar.
&nbsp
“É uma idade importante para discutir que os pais respondem na Justiça pelo comportamento online dos filhos; para falar de bullying virtual, de nudes, de mandar fotos de partes íntimas do corpo para alguém. E lembrar que nada dá a ninguém o direito de expor as partes íntimas de outra pessoa — vazamento de nudes é um ato criminoso”, diz o integrante a SaferNet.
&nbsp
“Se você achar que seu filho ainda é muito novo para ter essas conversas, talvez não seja a hora de ter um celular ainda. Cada família terá que avaliar seus critérios.”
&nbsp
Fortim, da PUC-SP, diz que observar o comportamento digital dos jovens também pode dar pistas sobre a saúde mental deles. “Vemos ainda poucos jovens que são de fato viciados em videogames, por exemplo. E quando tem uso excessivo em geral tem outro problema por trás, em que ele não quer pensar — desde timidez ou bullying ou algum problema familiar.”
&nbsp
Nessa idade, os pais têm o direito de espionar a vida digital dos filhos?
&nbsp
Nejm desaconselha. “Não acho bom instalar programas espiões (nos celulares adolescentes). A ideia é: será que é pedagógico ficar espiando o que ele está fazendo? O que isso ensina? É também uma quebra de vínculo de confiança, da capacidade de diálogo.”
&nbsp
&nbsp
6. Refletir sobre os próprios hábitos
&nbsp
A discussão sobre a vida digital das crianças é uma boa oportunidade para os próprios pais refletirem se eles mesmos são bons exemplos de equilíbrio.
&nbsp
“Vemos muitos pais hiperconectados questionando o uso excessivo de celular dos filhos”, completa Nejm.
&nbsp
A família pode estabelecer, de comum acordo, quais são os limites de uso para todo mundo. Algumas sugestões dos especialistas: criar momentos em que todos se comprometam a ficar offline e vetar os celulares durante as refeições, antes de dormir e durante a noite — para evitar que aquele despertar rápido para o xixi da madrugada se converta em horas insones diante do smartphone.
&nbsp
&nbsp
&nbsp
Fonte: BBC[:]

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Company

Our ebook website brings you the convenience of instant access to a diverse range of titles, spanning genres from fiction and non-fiction to self-help, business.

Features

Most Recent Posts

  • All Post
  • Brincadeira Perigosa
  • Brincadeiras Perigosas
  • Clipping
  • Controle Parental
  • Eventos
  • Instituto DimiCuida
  • Internet
  • Jogo do Desmaio
  • LGPD
  • Não-Oxigenação
  • Pesquisa
  • Saúde Mental
  • Sem categoria

eBook App for FREE

Lorem Ipsum is simply dumy text of the printing typesetting industry lorem.

Category

Av. Santos Dumont, 1388
Aldeota - Fortaleza/CE
CEP: 60150-160

Siga nossas redes sociais

Rolar para cima
×